Você está solteiro. E se é porque um relacionamento anterior não deu certo, alguém saiu, você errou, você ainda não encontrou sua pessoa ou nunca esteve em nada sério - esta é a simples verdade sobre você - você é ( gloriosamente) por conta própria.

Mas isso não é nada para se envergonhar.

Ser solteiro é algo para comemorar. Porque a palavra não define você. Porque você está em um lugar onde seus pensamentos, decisões, ações e escolhas influenciam e beneficiam diretamente você. Porque você é capaz de perseguir o que quer que o faça feliz, excitado, apaixonado ou selvagem, sem nada ou ninguém segurando você. Porque você tem tempo e não precisa se apressar. Porque encontrar alguém para amar não é e nunca deveria ser o foco central da sua vida.

Porque quando alguém olha nos seus olhos, não vê o status de seu relacionamento como um rótulo de quem você é. Porque 'solteiro' é uma descrição, não uma identidade.

Às vezes, parece que o mundo ao seu redor está envolvido em conexões. Você olha nas mídias sociais e é inundado por imagens de casais felizes, de casamentos, de casamentos, de famílias bonitas com bebês. Você abre sua caixa de correio e há outro convite para o chá da tarde. Você anda pela rua e assiste casal após casal canoodle, de mãos dadas.

Às vezes, você não pode deixar de se perguntar se há algo errado com você, se é você quem está atrapalhando todos os relacionamentos em que se envolve, se algum dia encontrará amor verdadeiro.

Todos nós já estivemos lá. Todos nós pensamos, duvidamos, franzimos o cenho para o nosso reflexo no espelho. Todos nós questionamos se somos os culpados ou não, trabalhamos em nós mesmos, voltamos para lá, falhámos e tentamos e falhámos e tentamos novamente.

A questão é que, às vezes, ficamos tão envolvidos no que estamos que esquecemos quem e como somos dignos. Estamos tão focados no que é nosso status de relacionamento que esquecemos a importância de apenas ser, e apenas sendo quem nós somos-uma entidade, por conta própria.

Preocupamo-nos se somos 'suficientes', se somos 'demais', se estamos no caminho certo. Preocupamo-nos quando, na linha do tempo de nossas vidas, cairemos em alguém especial, ou se eles existirem. Preocupamo-nos com a aparência do resto do mundo, se estamos tomando as decisões corretas, se já encontramos nossa pessoa e simplesmente não a reconhecemos.

Mas toda essa preocupação não faz nada além de nos afastar da positividade que nos cerca. Se estivermos tão cansados ​​de ficar aquém, nunca acreditaremos que somos dignos do amor que naturalmente pode cair em nossos colos. Se estivermos tão focados em todos os relacionamentos passados ​​que falharam, não apreciaremos um bom relacionamento. Se não pudermos abandonar nossa dor, não abriremos espaço para novas pessoas, novas experiências, novas chances.

A verdade é que nenhum de nós descobriu essa coisa de 'amor'. Estamos todos navegando, pesquisando, tentando encontrar alguém cuja bagunça se misture com a nossa e ame-a, escolha-a, lute com ela e por ela à medida que crescemos. Estamos todos fracassando, tentando aprender quem somos e podemos estar ao lado de outra pessoa.

Mas a coisa mais importante que devemos lembrar é que ser 'solteiro' não é uma identidade.

Claro, você pode comemorar sua singularidade. Claro, você pode se concentrar em si mesmo e manter distância das conexões, se simplesmente não estiver pronto. Claro, você pode ser uma versão saudável do egoísta. Claro, você pode priorizar sua própria felicidade antes de se envolver com outra pessoa.

Mas não permita que seu status de relacionamento defina quem você é e se tornará.

caras com paus pequenos

Você vale muito mais do que um rótulo que limita você. E quem você é como pessoa não é definido se você é ou não amado ou ama alguém.

Ao viver sua vida, ao trabalhar, ao perseguir sonhos e desejos, ao deixar de lado seu passado e começar de novo, à medida que aprende a confiar, ao sorrir, rir e seguir o que parece certo - não se esqueça disso tão simples fato: sua singularidade é um status, um momento no tempo, uma descrição.

Não é uma definição.