Dizer que foi doloroso é um eufemismo. Dizer que você me machucou é um eufemismo ainda maior. A verdade é que, se você tivesse deixado uma dúzia de facadas no meu corpo, do jeito que fez na minha mente e no meu coração, você seria preso, mas ninguém jamais aprisionaria alguém pelo crime quase fatal de quebrar o coração de alguém. Levei anos para esquecer você. Levei dias para me recompor e levar uma vida normal. Demorou tanto tempo que a dor começou a parecer uma segunda natureza para mim, começou a parecer que era consumo e não apenas desgosto.

E ainda assim, enquanto estou sentado aqui escrevendo isso, quero dizer obrigado. Obrigado, porque mesmo com toda a dor, a mágoa e a dor, não me arrependo de você, você não foi um erro. Você não era algo para esquecer facilmente. E você me ensinou algumas das lições mais importantes que já aprendi em toda a minha vida. Você me ensinou que as pessoas, por mais que prometam ficar, como as folhas no outono, vão embora. Você me ensinou que quem promete a você para sempre está mentindo para você. Você me ensinou que a mágoa é uma parte natural do amor. Você me ensinou como as expectativas são falhas como um todo. Você foi uma lição, não um erro.

Você era o presente do universo, a sabedoria na forma de um humano, enviado a mim na hora certa, para me dizer o quanto eu preciso para evoluir, crescer e me tornar alguém que me orgulho. Eu precisava ter meu coração partido tão mal. Eu precisava me machucar tanto para saber o quão profundamente me sinto, o quanto eu realmente posso amar. Eu precisava respirar e sentir a dor até esse ponto. Você me deu isso e por isso sou eternamente grato. Você me mudou como humano, fundamentalmente e para sempre.

Onde quer que esteja, apesar da dor que me causou, espero que não seja o melhor para você. Quero agradecer pelo desgosto. Quero agradecer por ser uma lição para mim de muitas maneiras. Quero agradecer pelo dano que você causou em mim. Porque sem esse dano, não acho que seria a melhor versão de mim. O eu que vejo e sinto hoje.